Marketing & Negócios: Grupo Pão de Açúcar divulga lucro recorde

Crescimento de 127% no resultado líquido já inclui a operação de Ponto Frio





Maior varejista do Brasil, o Grupo Pão de Açúcar anunciou nesta terça-feira, 2, que seu lucro líquido em 2009 bateu todos os recordes e somou R$ 591,6 milhões. Esse resultado é cerca de 127% superior ao registrado em 2008.

Os valores divulgados já incluem a operação do Ponto Frio, adquirido em junho do ano passado.

A rede inclui ainda as marcas Extra, Compre Bem, Assai e Sendas, além do próprio Pão de Açúcar.

Se considerada a operação sem o Ponto Frio, o grupo contabilizou R$ 597,5 milhões de lucro líquido contra R$ 260,4 milhões em 2008. "Apesar das expectativas negativas, a crise econômica não teve efeito sobre os nossos negócios. Pelo contrário. Fechamos o ano de 2009 como uma companhia muito musculosa a preparada para aproveitar novas oportunidades ou possíveis problemas", diz Enéas Pestana, vice-presidente senior de operações do Grupo Pão de Açúcar.

Em 2009 também não estão incluídos os resultados da Casas Bahia. "Todas as nossas metas foram cumpridas, sendo que houve um crescimento bastante significativo na categoria de não alimentos", completa Pestana.

No que diz respeito às vendas brutas, o grupo totalizou R$ 17,9 bilhões, crescimento de quase 20% com relação ao período anterior.

A participação das marcas neste número é liderada por Extra (46,5%), Pão de Açúcar (17,2%) e Compre Bem (11,6%).

Partes do balanço a partir do terceiro trimestre do ano, as lojas Ponto Frio respondeu por 7,2 % do total de vendas.

2 comentários:

Silvana Nunes .'. disse...

Bom dia.
Estava viajando pela internet quando caí no seu cantinho. Vou dar uma explorada, mas gostei do que vi.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... deseja uma boa semana para você.
Saudações Florestais !

Pedro Camargo disse...

Nada novo quanto ao Pão.
Os bons brasileiros estariam mais felizes se a noticia fosse assim:
"Os pequenos varejistas crescem a cada momento, já representam 80% do faturamento da cadeia no país."
Ou ainda se fosse assim:
"O Dr. Abílio Diniz declarou em entrevista que em função da sua influência no meio econômico, não manifestará sua preferência por nenhum candidato a Presidência."
Mas isso são os bons brasileiros...

Pedro Camargo